Política
Veja o que muda sobre as novas regras para licitações em órgãos públicos
Por G1 • 28/03/2023
Compartilhe
Nova lei promete maior eficiência e transparência nos processos de compras de bens e serviços. Confederação Nacional dos Municípios quer ampliar prazo de transição.

Após dois anos de transição, as novas regras para licitações públicas entram em vigor a partir de sábado (1º).

O texto, segundo o governo, moderniza e ajuda tornar mais eficiente os processos de compra e contratação por órgãos da administração pública.

▶️ As licitações são processos administrativos obrigatórios, salvo exceções, para a compra de bens e serviços pelos:

  • governos federal, estadual e municipal;
  • poderes Legislativo e Judiciário nas três esferas, quando em função administrativa;
  • além de outras entidades públicas, como, por exemplo, autarquias.

Conhecido como nova Lei de Licitações, o texto revogou três normas que tratavam dos processos de contratações na administração pública. Foi sancionado pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) em 2021 e somente valerá agora de maneira integral.

Veja as principais mudanças:

▶️ Dispensa de licitação

A nova lei atualizou os valores para dispensa dos processos de compra:

  • para obras e serviços de engenharia: passa de R$ 33 mil para R$ 108 mil;
  • para outros serviços e materiais em geral: de R$ 17,6 mil para R$ 54 mil.

O primeiro valor também é considerado como limite para dispensar a licitação nos casos de manutenção de veículos.

Ainda houve uma atualização nos casos em que há dispensa em contratações com o objetivo de manter a continuidade do serviço público ou em situações de calamidade pública.

https://2cbf8e6c55b0e0e503e426ce83808dae.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-40/html/container.html

Nesses casos, o texto estabelece que os serviços ou obras contratadas devem ser concluídos até um ano depois da emergência pública. Antes, o prazo era de até 180 dias.

Também houve a inclusão de duas novas hipóteses de casos em que a licitação é inviável, a chamada inexigibilidade de licitação:

  • contratação por meio de credenciamento;
  • e aquisição ou locação de imóvel com características necessárias para o órgão, como localização e tamanho, por exemplo.

▶️ Transparência do processo

A lei implementou mecanismos para garantir maior transparência dos processos em todo o país e determinou que todos os atos relacionados aos processos de compras sejam feitos preferencialmente de forma digital.

???? Documentos de licitações de todo o país deverão ser reunidos no Portal Nacional de Contratações Públicas.

Também foi previsto pela nova lei que os órgãos precisam desenvolver uma estrutura de governança que seja responsável por “processos e estruturas, inclusive de gestão de riscos e controles internos, para avaliar, direcionar e monitorar os processos licitatórios e os respectivos contratos”.

???? Todos os contratos deverão ser submetidos a controles de risco e práticas contínuas de prevenção.

Além disso, as novas regras determinaram que os órgãos tenham agentes públicos especializados e que trabalhem apenas nos processos de licitações.

A lei estabelece que esses agentes não devem ter relações amorosas, grau de parentesco ou vínculo anterior com empresas que disputam ou vencedoras de licitações.

▶️ Crimes nas licitações

Além das medidas para ampliar a transparência e o controle nas contratações, a nova lei incluiu no Código Penal, detalhou e ampliou as penas para os crimes em licitações, como por exemplo:

  • contratação direta ilegal, quando o órgão deixa de fazer licitação sem observar as hipóteses definidas: a pena passa de 3 a 5 anos de detenção e multa para 4 a 8 anos de detenção e multa;
  • fraude de licitação, prática adotada para obter vantagem e diluir a competição no processo: pena de detenção passou de 2 a 4 anos para 4 a 8 anos, além de multa;
  • participação de empresa inapta na licitação: pena passou de 6 meses a 2 anos de detenção para 1 a 3 anos, além de multa;
  • celebração de contrato com empresa inapta: passou de 6 meses a 2 anos de detenção para 2 a 5 anos, além de multa.

???? A nova lei também criou pena para quem apresentar documentação com informações falsas ou omitir informações em documentos. A pena será de 6 meses a 3 anos de detenção, além de multa.

▶️ Percentual de mão de obra

Segundo a lei, o edital para licitações poderá exigir um percentual mínimo de mulheres vítimas de violência doméstica e de ex-presidiários como mão de obra responsável pela execução do contrato.

A legislação anterior previa somente a possibilidade de um percentual mínimo de ex-presidiários.

▶️ Modalidades de licitação

O texto estabeleceu cinco tipos de licitação:

  1. concorrência, usada para contratação de bens e serviços especiais e de obras e serviços comuns e especiais de engenharia com critérios de julgamento;
  2. concurso, destinada à contratação de trabalho técnico, científico ou artístico, com o critério da melhor técnica ou conteúdo artístico, ou para concessão de prêmio ou remuneração ao vencedor;
  3. leilão, adotado para alienação de bens imóveis ou móveis inservíveis ou legalmente apreendidos a quem oferecer o maior lance;
  4. pregão, utilizado obrigatoriamente na compra de bens e serviços comuns, com os critérios de menor preço ou maior desconto;
  5. diálogo competitivo, no qual são selecionados possíveis licitantes de obras, serviços e compras para desenvolver uma proposta baseada nas necessidades dos órgãos. Essa modalidade foi criada com a lei e pode ser usada também para contratação de inovações tecnológicas ou técnicas.

A nova lei excluiu como possibilidades a tomada de preços, o convite e o Regime Diferenciado de Contratações (RDC).

▶️ Critérios de julgamento

A norma atualizou também os critérios de julgamento das propostas. Segundo o texto, devem ser analisados:

  • menor preço;
  • maior desconto;
  • melhor técnica ou conteúdo artístico;
  • técnica e preço;
  • maior lance, no caso de leilão;
  • e maior retorno econômico.

▶️ Etapas da licitação

Para conferir maior agilidade ao processo, as regras que entram integralmente em vigor neste sábado mudaram a ordem das etapas da licitação. Agora, o processo se dá da conforme as seguintes etapas:

  1. preparatória;
  2. divulgação do edital;
  3. propostas e lances;
  4. julgamento;
  5. habilitação;
  6. recursos;
  7. e homologação.

Antes, a habilitação antecedia o julgamento das propostas. Com essa medida, a documentação solicitada passa a ser analisada após o julgamento das propostas.

Transição para a nova lei

Até este sábado (1º), a lei permitia que a administração pública optasse por adequar as contratações aos procedimentos novos ou utilizar os antigos.

Na última semana, o Tribunal de Contas da União (TCU) decidiu que a opção pela regra antiga valerá para todos os órgãos que tiverem escolhido o processo até 31 de março, desde que a publicação do edital ocorra até 31 de dezembro.

Mesmo com a transição, municípios afirmam que não foi possível adotar integralmente as novas regras. A Confederação Nacional dos Municípios (CNM) busca prorrogar para o início de vigência da nova lei.

Presidente da entidade, Paulo Ziulkoski defendeu que o texto integral da lei passe a valer somente em dezembro. Segundo ele, a possibilidade será uma das pautas de encontros com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e com a ministra da Gestão e Inovação, Esther Dweck.

“Medida provisória não é interessante porque vão vir 500 emendas. Estamos trabalhando”, disse Ziulkoski.

Compartilhe
11/01/2024
LICITAÇÃO
Câmara vai trocar móveis de deputados. Por quanto? Sigilo
18/12/2023
LICITAÇÃO
Governo Lula deve gastar mais de R$ 800 mil para limpar piscinas
05/12/2023
REGRA
Câmara aprova disputa sigilosa em licitações de obras públicas

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Propaganda