INFRAESTRUTURA
Rodovias no Maranhão estão entre as mais críticas do Brasil
Por linharesjr.com.br • 17/01/2024
Compartilhe
Rodovia Maranhão
Os estados mais afetados em 2023 foram Minas Gerais, Acre e Maranhão, com 383, 374 e 258 pontos críticos, respectivamente.

MARANHÃO, 17 de janeiro de 2024 – A malha rodoviária do Brasil enfrenta um aumento alarmante nos pontos críticos, revela pesquisa anual da Confederação Nacional dos Transportes (CNT).

O número de ocorrências graves, como quedas de barreiras, erosões e pontes danificadas, cresceu mais de 10 vezes desde 2013, chegando a 2.648 incidentes em 2023, 38 a mais do que em 2022.

Os estados mais afetados em 2023 foram Minas Gerais, Acre e Maranhão, com 383, 374 e 258 pontos críticos, respectivamente.

Leia Mais: Rodovia do Maranhão fica entre as 10 piores do Brasil

A CNT estima que são necessários R$ 4,88 bilhões para lidar com os problemas, sendo 38,5% para correção de quedas de barreiras e 21,7% para a adequação ou reconstrução de pontes estreitas. Considerando intervenções emergenciais, a necessidade de recursos sobe para R$ 46,8 bilhões.

Leia Mais: BR-316 e BR-135 lideram acidentes e mortes no MA

Em entrevista à EXAME, o ministro dos Transportes, Renan Filho, estabeleceu a meta de reduzir o percentual de rodovias com nível ruim/péssimo de 66% para 20% ou 25% em 24 meses.

Leia Mais: Governo Lula cancela repasses para obras em rodovias no MA

A CNT destacou a importância de “maiores esforços” na infraestrutura rodoviária para garantir a fluidez do trânsito e a segurança dos usuários.

“O investimento na prevenção e/ou na correção imediata de pontos críticos é a melhor forma de evitar que os problemas nas vias se agravem”, afirma Bruno Batista, diretor executivo da CNT.

Compartilhe
19/04/2024
DETIDOS
Maranhenses presos na Venezuela devem passar por julgamento
19/04/2024
LEVANTAMENTO
Bolsa Família chega a 40% dos lares no MA e a 4,5% em SC
19/04/2024
LEVANTAMENTO
Maranhão registra menor rendimento médio domiciliar do país

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Propaganda