LEVANTAMENTO
Para a maioria, prisão de Bolsonaro seria injusta, revela pesquisa
Por CONEXÃO POLÍTICA • 09/02/2024
Compartilhe
Bolsonaro pesquisa
Eleitores avaliam que ex-presidente não tem culpa pelos atos de 8 de janeiro. Maioria não considera que o país correu risco naquele dia.

BRASIL, 09 de fevereiro de 2024 – A maioria dos brasileiros é contra a prisão do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). É o que aponta o mais novo levantamento do instituto Paraná Pesquisas, que ouviu eleitores em 26 Estados e no Distrito Federal entre os dias 24 e 28 de janeiro.

Antes, portanto, da deflagração da operação desta quinta (8), que mirou mais aliados de Bolsonaro e o obrigou a entregar seu passaporte.

O estudo mostra que mais da metade dos entrevistados, representando 52%, considerariam uma eventual prisão do ex-presidente injusta. Por outro lado, os que consideram a medida justa são 38%.

Na sondagem, o instituto também questionou a percepção dos brasileiros sobre o 8 de Janeiro. Para 49,2% dos entrevistados, Bolsonaro não tem responsabilidade sobre a invasão às sedes dos Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário, em Brasília.

Mesmo diante de um intenso bombardeio político, midiático e jurídico que miram o direitista, ainda assim a maioria não legitima a narrativa levantada contra o ex-mandatário. Em contrapartida, na opinião de 41,1%, o ex-presidente tem, sim, responsabilidade pelo vandalismo na capital federal.

A pesquisa também quis saber como o eleitorado interpreta o que aconteceu naquele 8 de janeiro de 2023, se o país esteve sob algum perigo ou não.

Na avaliação da maioria, 35% dos entrevistados, a democracia brasileira não correu risco, enquanto 26% relataram que a democracia brasileira esteve sob algum risco.

Quanto às condenações aplicadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF) contra os chamados pela Corte de ‘golpistas’, 48,1% afirmaram discordar das penas aplicadas, que são superiores a 15 anos de prisão. Os que concordaram foram 42,8%.

A margem de erro da pesquisa é de 2,2 pontos percentuais para mais e para menos. a taxa de confiança é de 95%.

Compartilhe
20/02/2024
DECISÃO
Desembargadora maranhense é afastada pelo CNJ por dois anos
20/02/2024
FORO PRIVILEGIADO
Oposição aposta no fim do foro contra excessos do Judiciário
20/02/2024
PANDEMIA DE CORRUPÇÃO
Mais um membro do Ministério Público maranhense acusado de corrupção

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Propaganda