DECISÃO

20/02/2024

Desembargadora maranhense é afastada pelo CNJ por dois anos

IMIRANTE.COM

Processo foi aberto após decisões em favor de um ex-assessor, que pedia recontagem de pontos após prestar concurso para tabelião.

Leia mais

Desembargadora maranhense é afastada pelo CNJ por dois anos
Iniciativa do Grupo Mirante foi o grande momento das eleições no Maranhão até agora. Confira o desempenho dos candidatos.

O debate realizado pelo portal Imirante na noite desta quinta (1º de setembro) entrou para a história não só das eleições de 2022, mas da transmissão de debates em todo o Maranhão. Com mais de 11 mil telespectadores simultâneos na hora do debate e próximo de bater 100 mil visualizações antes das primeiras 24 horas, a transmissão é a maior dessa natureza em todos os tempos.

O debate foi mediado pelo jornalista Clóvis Cabalau, diretor do Núcleo de Política do Grupo Mirante. Com regras que garantiram fluidez no debate e qualidade técnica impecável, os candidatos tiveram cerca de 3 horas para debater ideias e apresentar propostas.

Ficaram de fora do debate Edivaldo Holanda Jr (PSD), Frankle Lima (PCB) e Hertz Dias (PSTU). Edivaldo cumpria agenda no interior e os outros dois não participaram por regras do debate.

O DEBATE

Participaram do debate o governador Carlos Brandão (PSB), Lahesio Bonfim (PSC), Weverton Rocha (PDT), Simplício Araújo (Solidariedade), Joas Moraes (DC) e Enilton Rodrigues.

No primeiro bloco, os candidatos respondiam a perguntas dos jornalistas do Grupo Mirante. Nos blocos posteriores, eles perguntavam a si mesmos com temas definidos e tema livre sobre plano de governo. No último bloco vieram as considerações finais.

Durante todo o evento não foram registrados quaisquer problemas técnicos. Além disso, a condução do debate pelo mediador garantiu o profissionalismo necessário para que o eleitor pudesse ter mais facilidade para o eleitor pudesse ver as propostas.

O DESEMPENHO DOS CANDIDATOS

Carlos Brandão – Teve o pior desempenho no debate. Foi criticado e confrontado por todos os demais debatedores em menor ou maior medida. Não conseguiu defender a gestão de Flávio Dino e nem mostrar identidade própria. Saiu-se muito mal nos embates contra o ex-secretário Simplício Araújo. Carlos Brandão trocou palavras, confundiu-se em perguntas e demonstrou confusão em vários momentos. NOTA: 3

Lahesio Bonfim – Foi o primeiro dos três colocados nas pesquisas a participar ativamente do debate junto com Joas Moraes. Questionado sobre a previdência do estado, desperdiçou a chance de falar sobre os mais de R$ 1 bilhão sacados do Fundo Especial Pensão e Aposentadoria dos Servidores do Estado (FEPA) pelo ex-governador Flávio Dino, seu adversário. Exagerou nas ironias e galhofas. Não soube defender-se do senador Weverton Rocha. NOTA: 4

Weverton Rocha – Desde o começo deixou claro que iria optar pela iniciativa de buscar os embates com os demais candidatos. Escolheu o candidato Lahesio Bonfim, com quem disputa o segundo lugar nas pesquisas, para iniciar sua estratégia. A estratégia prejudicou a apresentação de propostas. Conseguiu constranger o ex-prefeito várias vezes. Quando instado sobre escândalos de corrupção, foi pouco convincente. Na última parte do debate escolher Carlos Brandão como alvo e conseguiu desestabilizar ainda mais o governador. NOTA: 7

Simplício Araújo – Surpreendeu pela assertividade contra Carlos Brandão, ex-colega de governo. Foi o único que conseguiu mesclar investidas contra adversários e apresentação de propostas. Foi pouco acionado em relação a ataques, o que facilitou seu desempenho em relação aos demais. NOTA: 9

Joas Moraes – O melhor com as palavras e na apresentação de propostas. Contudo, a falta de confrontos diretos com os demais e sua baixa popularidade o prejudicaram. NOTA: 8

Enilton Rodrigues – Refém de chavões da extrema esquerda, completamente desligado das questões locais e incapaz de incomodar os outros cinco candidatos, o representante do PSOL fez apenas figuração. NOTA: 0.

Bolsonaro leva vantagem em economia de recursos públicos em todas as comparações com antecessores petistas.

A divulgação dos dados sigilosos do cartão coorporativo da Presidência da República mostra Jair Bolsonaro gastou menos do que os petistas que o antecederam em todas as comparações possíveis. Tanto na média anual quanto na comparação dos mandatos, os gastos de Bolsonaro são menores. Em números universais, a diferença chega a ser de 80% em favor de Bolsonaro.

Juntos, entre 2003 e 2016, Lula e Dilma gastaram o equivalente a R$ 162 milhões. Uma média de R$ 12.5 milhão por ano. Jair Bolsonaro gastou R$ 33 milhões e atingiu uma média de R$ 8 milhões a cada ano.

Lula gastou cerca de R$ 60 milhões em seu primeiro mandato e quase R$ 50 milhões no segundo.

Em seus primeiros quatro anos, Dilma gastou R$ 42 milhões. No segundo, antes de sofrer o impeachment, a petista registrou gatos de R$ 10 milhões.

Notícia

Lemann produz o maior rombo da história

13/01/2023 - Luís Nassif
As Lojas Americanas esconderam passivos equivalentes à metade do seu patrimônio. É o maior escândalo do mercado de capitais brasileiro.

Jorge Paulo Lemann primou sempre pelas práticas mais nocivas do capitalismo financeiro. Ele não é um semeador de empresas, não é o investidor que desbrava novos mercados.

Na primeira metade dos anos 90, escrevi uma coluna na Folha mostrando como o mercado de capitais poderia ser um grande fator de reciclagem da economia. Estava-se em um processo profundo de mudanças, com setores que desapareciam e outros que nasciam. Obviamente, é tarefa impossível a reciclagem ampla dos setores velhos para setores novos. Aí entra o capital financeiro ajudando a financiar a nova geração de empreendedores ou a reciclagem dos empresários tradicionais.

Na época, ele estava investindo na Companhia de Cervejas Brahma. Recebi um telefonema de Paulo Guedes, que me disse que Leman tinha lhe telefonado, comentando o artigo. Pela primeira vez, sentia-se participando de algum projeto de construção.

Guedes aproveitou para contar que tinha dito a Leman para deixar de lado cervejas, porque a rentabilidade da renda fixa era imbatível.

Nem sei se a conversa existiu ou não. Só sei que, logo depois, Leman adquiriu a Antárctica, em uma das operações mais escandalosas do CADE (Conselho Administrativo de Direito Econômico). Havia um protocolo do CADE analisando a distribuição dos revendedores pelo país, como um dos indicadores de concentração. O então presidente do CADE, Gesner de Oliveira, deixou de lado o sistema e recorreu a um Guia 4 Rodas para aprovar a operação.

Pouco depois foi constituída a Ambev, a rede de distribuidores da Antárctica foi esmagada e Leman contratou como diretor Milton Seligman, um dos assessores de confiança de Fernando Henrique Cardoso que, a partir daí, tornou-se lobista da empresa.

Pouco depois, o Banco Garantia, de Lemann, caiu em uma armadilha do destino. O Banco Central iria adquirir títulos da dívida externa brasileira – o que elevaria o preço do papel no mercado internacional. O Garantia se empanturrou de títulos, mas explodiu uma crise na Rússia, não prevista, que derrubou todos os títulos da dívida externa.

O Garantia quase quebrou, Lemann passou para frente e concentrou-se na Ambev e em outras empresas, usando as fórmulas mais deletérias do capitalismo.

Das empresas, queria apenas dividendos elevados. Escolheu setores tradicionais para não ter que investir em pesquisa, inovação e crescimento. Sua estratégia consistia em atuar em mercados cartelizados, valer-se do poder do cartel, cortar custos, não investir em inovação. Só interessava dividendos generosos. Como no caso na privatização da Telemar, em que seu grupo, mais outros três, adquiriram a Telerj e a depenaram.

Seu estilo começou a ser questionado quando adquiriu uma rede de alimentos e, por falta de pesquisas, não percebeu as mudanças trazidas pelo onda da comida natural.

No Brasil, sua atuação sempre foi deletéria. A forma como se apropriou da Eletrobras é indecente, fruto de lobby direto na veia do poder público. Entrou como minoritário, no golpe do impeachment passou a ter poder de indicação dos gestores. Estes reduziram investimentos – que eram relevantes para o país – para garantir dividendos polpudos. A 3G, controlada por ele, produziu uma avaliação do preço da Eletrobras indecente, tomando como base o valor contábil da empresa.

O golpe da privatização ocorreu com a empresa emitindo ações, que diluíram a participação estatal, e impuseram um acordo de acionistas pelo qual a União só tem direito a 10% dos votos, independentemente de sua participação acionária.

A mídia comprou totalmente a tese de que a gestão privada seria mais eficiente.

Agora se tem o maior escândalo financeiro do mercado de capitais brasileiro, com a descoberta de que as Lojas Americanas esconderam passivos equivalentes a metade do seu patrimônio.

Não se trata de um rombo recente, mas construído ano a ano há mais de década. E por que isso? Porque o 3G só se interessava em conferir o balanço trimestral e pressionar a diretoria para melhorar os dividendos. São eles que passam a controlar a Eletrobras, e certamente irão impor o poder de cartel da geração de energia, na primeira crise hídrica.

Ontem, o mercado fechou com a AMER3, o papel das Lojas Americanas, quase virando pó: R$ 2,72, 97% a menos do que o pico de R$ 75,19 de 4 de janeiro de 2021.

CAOS NA AMERICANAS

Jorge Paulo Lemann perdeu U$ 1 bilhão em 24 horas

13/01/2023 - José Linhares Jr
Bilionário é um dos principais sócios da Americanas

A descoberta de “inconsistências” que apontam para um rombo contábil da ordem de R$ 20 bilhões na Americanas atingiu em cheio o bilionário Jorge Paulo Lemann. Junto de outros dois sócios, Lemann tem uma participação de 31,13% que na companhia.

A notícia, junto com a queda no valor de mercado de outras empresas, levou o bilionário a cair algumas posições no prestigiado ranking de bilionários da revista Forbes. A fortuna caiu US$ 1,01 bilhão entre ontem e hoje, de acordo com o levantamento em tempo real da publicação.

Na mesma base de comparação, as ações da AB Inbev (ABEV3), que representam grande parte do patrimônio do empresário, caiu 1,33% na bolsa brasileira ontem. Por sua vez, os papéis da operadora do Burger King no Brasil, a Zamp (BKBR3), recuaram 4,91% no último pregão.

Apesar do caos no mercado financeiro, Jorge Paulo Lemann segue como o homem mais rico do Brasil, mas agora conta com uma fortuna avaliada em US$ 15,8 bilhões. No ranking global compilado pela Forbes, ele passou da 106ª para a 107ª posição.

A queda nas ações da Americanas não afetará a condição de multibilionário do empresário. Mas ele provavelmente ainda terá de colocar a mão no bolso para capitalizar a varejista caso seja necessário.

Valor de mercado desabou nesta quinta

As ações da Americanas abriram em queda de 76,25% na tarde desta quinta-feira (12) após a empresa anunciar “inconsistências contábeis” de R$ 20 bilhões. Às 14h20, os papéis da varejista estavam avaliados em R$ 2,85, contra R$ 12 da véspera.

Sérgio Rial pediu demissão do cargo de CEO da companhia, assim como André Covre, diretor de relações com investidores, após a descoberta do rombo.

Além do rombo bilionário, o fato relevante da empresa publicado na quarta-feira (11) não detalha os motivos para o rombo nas contas.

Os investidores também reagiram aos pedidos de demissão de dois executivos bem-avaliados no mercado. Ambos estavam no cargo desde 2 de janeiro.

Segio Rial foi anunciado para comandar a Americanas em agosto de 2022, mas assumiu a presidência em 2 de janeiro deste ano. Ele substituiu Miguel Gutierrez, que liderou a companhia varejista por 20 anos.

Andre Covre também assumiu a direção financeira e de relação com investidores neste ano.

Propaganda