PIMENTA
Ministro da Secom critica imprensa sobre corrupção na Petrobras
Por linharesjr.com.br • 22/01/2024
Compartilhe
Secom Petrobras
Paulo Pimenta, chefe da Secom, atacou mídia por relembrar corrupção na Petrobras e acusou sincronia contra soberania energética do Brasil.

BRASÍLIA, 22 de janeiro de 2024 – O ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social (Secom), Paulo Pimenta, lançou críticas à imprensa neste domingo (21) após veículos de comunicação relembrarem casos de corrupção na Petrobras durante governos anteriores do PT.

Paulo Pimenta apontou o que chamou de “sincronia e articulação” na “grande mídia corporativa” para obstruir os esforços do Brasil em se destacar na área de petróleo e gás. Em seu perfil oficial no Twitter, o ministro destacou dois pontos críticos.

Primeiro, mencionou um discurso contrário à busca de soberania na política energética do Brasil, especialmente no setor de petróleo e gás. Em segundo lugar, acusou a tentativa de “blindar o fracasso das privatizações” sob a justificativa de medidas modernas e eficientes.

Paulo Pimenta é responsável pela distribuição de verbas de publicidade do governo federal, um montante que alcança bilhões de reais, abrangendo não apenas a administração direta, mas também a indireta, incluindo empresas estatais.

Além disso, o ministro da Secom é pré-candidato a governador do Rio Grande do Sul em 2026.

A recente retomada das obras na Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, destacou-se nos jornais, reacendendo a série de escândalos revelados pela Operação Lava Jato.

O presidente Lula, em sua crítica à Lava Jato durante a retomada de investimentos na refinaria, afirmou que os escândalos foram resultado de uma “mancomunação entre alguns juízes desse país e alguns procuradores desse país subordinados ao Departamento de Justiça dos Estados Unidos”.

Ele ainda ressaltou que os críticos da Petrobras nunca aceitaram o país ter uma empresa tão forte.

Após essa declaração, a imprensa começou a republicar e relembrar os eventos da Lava Jato, o que desagradou Paulo Pimenta.

Ele acusou os veículos de comunicação de serem “porta-vozes do grande capital financeiro e especulativo” e de representarem a voz do capital que financia suas atividades, exigindo defesa “diante do indefensável”.

O ministro destacou que esses veículos lucram com governos e estados fracos, se beneficiando da apropriação do patrimônio do povo para prestação de serviços de baixa qualidade.

Ele apontou os editoriais e comentaristas como representantes dessa voz capitalista que busca defender seus interesses.

Compartilhe
11/04/2024
DESPREZO
Pai de Duarte Júnior não vota nele e diz não ser valorizado
11/04/2024
ELEIÇÕES 2024
Homem admite fake news sobre Iracema Vale e é multado
11/04/2024
"TEMPOS ESTRANHOS"
Caso Musk e Moraes é comparado à fala de Fernando Braide

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Propaganda