TERRITÓRIOS
Ministra vê demarcações de terras no governo Lula abaixo do ideal
Por FOLHA DE S. PAULO • 26/04/2024
Compartilhe
Sônia Guajajara
Sonia Guajajara, dos Povos Indígenas, afirmou que o número de terras indígenas demarcadas no governo Lula até agora é menor do que o ideal.

BRASÍLIA, 26 de abril de 2024 – Os movimentos indígenas marcharam nesta semana do ATL (Acampamento Terra Livre), no Eixo Cultural Ibero-americano, em Brasília, até o Congresso Nacional, onde participaram de uma sessão solene.

Em coletiva de imprensa, antes da sessão solene, a ministra dos Povos Indígenas, Sonia Guajajara, afirmou que, apesar de o número de terras indígenas demarcadas no governo Lula (PT) até agora ser menos do que o ideal, ainda representa uma grande conquista diante da realidade do Estado brasileiro.

Ela lembrou que, em menos de um ano e meio de gestão, foram dez territórios homologados. Em comparação, foram 11 terras nos dez anos anteriores —o que inclui parte dos governos Dilma Rousseff (PT), o de Michel Temer (MDB) e o de Jair Bolsonaro (PL).

“Nós conseguimos, neste um ano e quatro meses, homologar dez territórios indígenas. É pouco? É pouco. Para o tamanho do passivo que tem no Brasil, precisa avançar ainda mais. Mas, em dez anos [anteriores], foram apenas 11 territórios demarcados”, disse.

“Não pensem que isso é fácil, não pensem que é uma conquista pequena. É uma grande conquista, porque se dependesse da decisão e vontade do Estado brasileiro, nem essas [dez] teriam saído”,completou.

Além de Guajajara e Xakriabá, participam da sessão na Câmara em homenagem ao movimento indígena, a presidente da Funai (Fundação Nacional dos Povos Indígenas) Joenia Wapichana, deputados e lideranças tradicionais, se pronunciaram durante o evento.

Compartilhe
15/07/2024
DECISÃO
Trump escolhe senador como candidato a vice-presidente
15/07/2024
PROTESTO
Servidores do Detran exigem saída de secretário após 50 dias
15/07/2024
MARANHÃO
Número de motoristas com problema de visão dobra em 10 anos

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Propaganda