MARANHÃO
MA tem o pior índice desnutrição infantil do país, diz levantamento
Por linharesjr.com.br • 22/01/2024
Compartilhe
Maranhão desnutrição
Após uma década de governo Dino e Brandão, o Maranhão lidera estatísticas de desnutrição infantil no Brasil.

MARANHÃO, 22 de janeiro de 2024 – Após uma década sob o comando político de Flávio Dino e Carlos Brandão, o estado do Maranhão é destaque por razões negativas. Recentemente, foi divulgado que o Maranhão possui o pior índice de desnutrição infantil do país.

Segundo dados do Observatório de Saúde na Infância da Fiocruz, o ano de 2022 registrou um alarmante número de 280 internações de bebês com menos de um ano no estado devido a desnutrição, sequelas e deficiências nutricionais.

O Observatório de Saúde na Infância (Observa Infância), ligado à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), evidenciou que, em todo o Brasil, foram registradas mais de 2,7 mil internações de bebês por essas condições preocupantes.

Dentre as regiões do país, o Nordeste se destaca negativamente, liderando com 1.175 hospitalizações.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) define desnutrição como a ingestão inadequada de alimentos que resulta em déficit de peso e estatura, além de deficiência de micronutrientes.

Essa condição impacta significativamente a saúde infantil e está associada a diversos fatores determinantes, incluindo baixo peso ao nascer, falta de aleitamento materno, desnutrição materna e anemia tanto na mãe quanto na criança.

Entre os fatores socioeconômicos que contribuem para a desnutrição infantil, destacam-se a baixa escolaridade materna, renda familiar insuficiente, falta de saneamento básico e deficiências no pré-natal.

A falta de acompanhamento adequado pelos serviços de saúde das crianças que compõem o grupo de risco também é apontada como uma razão para a deficiência nutricional.

A desnutrição na primeira infância está associada não apenas à maior mortalidade, mas também a recorrência de doenças infecciosas, prejuízos no desenvolvimento psicomotor, menor aproveitamento escolar e menor capacidade produtiva na idade adulta.

As consequências podem se estender para o desenvolvimento cognitivo, crescimento, sistema imune, aumentando o risco de doenças recorrentes e impactando a qualidade de vida.

Esses efeitos podem resultar em menores chances de ascensão social e econômica na vida adulta.

Compartilhe
23/04/2024
REAÇÃO
Adepol divulga nota de repúdio contra remoção de delegado
23/04/2024
QUINTO CONSTITUCIONAL
Lista tríplice do Ministério Público será definida nessa quarta (24)
23/04/2024
ASSEMBLEIA
Deputado propõe revogação de título a Geraldo Alckmin no MA

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Propaganda