REGRA
Câmara aprova disputa sigilosa em licitações de obras públicas
Por G1 • 05/12/2023
Compartilhe
Câmara sigilo
Texto segue para sanção do presidente Lula e prevê esse formato para licitações de valor superior a R$ 1,5 milhão.

BRASÍLIA, 05 de dezembro de 2023 – Câmara dos Deputados aprovou na última semana, por 307 votos a 27 e uma abstenção, um projeto que permite os governos federal, estadual e municipal a realizar uma disputa sigilosa de licitações para obras e serviços de engenharia.

As licitações são processos administrativos obrigatórios, salvo exceções, para a compra de bens e serviços.

Segundo a proposta, órgãos das três esferas de governo poderão adotar o modelo chamado de “disputa fechada” para licitações com valor estimado acima de R$ 1,5 milhão. A permissão valerá para contratação de:

  • obras ou serviços especiais de engenharia
  • serviços comuns de engenharia, que incluam serviços técnicos especializados de natureza predominantemente intelectual
  • e serviços de limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos

O texto, que segue para a sanção do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), modifica a atual Lei de Licitações, que valerá integralmente a partir do dia 30 deste mês.

Até lá, a União e os estados e municípios poderão optar por realizar licitações nos três formatos antigos.

A disputa fechada já estava prevista na legislação, mas era proibida para licitações que tinham como critério de escolha o menor preço ou maior desconto.

Com o texto aprovado pela Câmara e pelo Senado, a possibilidade passa a valer até mesmo para disputas com esses critérios, desde que para a contratação dos serviços mencionados acima.

O modelo fechado permite que propostas sejam submetidas pelas empresas sem a divulgação pública dos lances. Os valores somente são conhecidos na data e hora escolhidas pelo órgão.

Na disputa aberta, porém, os lances são divulgados de forma aberta e transparente, com a garantia de consulta pública aos valores.

A mudança aprovada pelo Congresso pode, na prática, diminuir a transparência nas disputas de obras públicas.

Autora da proposta, a senadora Tereza Cristina (PP-MS) afirmou que a alteração era necessária porque a “dinâmica da fase de lances é incompatível com a complexidade de orçamentação de grandes obras e serviços de engenharia”.

“A criação de estímulo artificial para a oferta de descontos sucessivos nas licitações para obras e serviços de engenharia desse porte pode provocar cotações inexequíveis e jogos de planilha, provocando inclusive a necessidade de renegociações precoces”, disse a senadora.

Em seu parecer, o relator do texto na Câmara, deputado Elmar Nascimento (União Brasil-BA), argumentou que a mudança “mostra-se condizente com a proteção do interesse público, bem como homenageia a busca da melhor proposta para a administração pública”.

Compartilhe
11/01/2024
LICITAÇÃO
Câmara vai trocar móveis de deputados. Por quanto? Sigilo
18/12/2023
LICITAÇÃO
Governo Lula deve gastar mais de R$ 800 mil para limpar piscinas
25/09/2023
ALERTA
CGU vê risco de sobrepreço em licitação do Ministério da Justiça

1 Comentário

  1. Fábio Costa

    Bem, se existem “maracutaia” em processos licitatórios aberto, imagina nessa modalidade que foi aprovada.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Propaganda