MONITORAMENTO
Alexandre de Moraes do TSE pretende bisbilhotar redes sociais
Por linharesjr.com.br • 06/02/2024
Compartilhe
Moraes TSE
Presidente do TSE revelou iniciativa com apoio do Ministério da Justiça para rastrear e discursos de ódio visando a proteção democrática.

BRASÍLIA, 06 de fevereiro de 2024 – O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Alexandre de Moraes, anunciou a formação de um grupo, com respaldo do Ministério da Justiça sob a gestão de Ricardo Lewandowski, destinado a monitorar e combater “pessoas que atentam contra a democracia”.

Este comitê, que terá o suporte da Polícia Federal, realizará reuniões a partir de março, envolvendo membros dos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs).

O foco declarado por Moraes é rastrear indivíduos que disseminam o que ele categorizou como “discursos de ódio”. No entanto, não foram especificados os tipos de falas que se enquadram nesse conceito.

Durante a abertura dos trabalhos da Justiça Eleitoral, o presidente do TSE ressaltou a necessidade de regulamentar a Inteligência Artificial antes das eleições, considerando o surgimento de novas tecnologias, algoritmos e o uso crescente da inteligência artificial.

Ele enfatizou que essa regulamentação não deve ficar restrita ao TSE, mas deve ser uma iniciativa do Congresso Nacional em prol da defesa da democracia.

Moraes também propôs responsabilizar as chamadas Big Techs por eventuais discursos de ódio durante as eleições, destacando o uso malicioso das redes sociais como um instrumento de “corrosão” da democracia brasileira.

Ele apontou a falta de transparência nos algoritmos e o risco da utilização da inteligência artificial como fatores críticos durante as eleições, levando à disseminação em massa de discursos prejudiciais.

Compartilhe
20/02/2024
DECISÃO
Desembargadora maranhense é afastada pelo CNJ por dois anos
20/02/2024
FORO PRIVILEGIADO
Oposição aposta no fim do foro contra excessos do Judiciário
20/02/2024
PANDEMIA DE CORRUPÇÃO
Mais um membro do Ministério Público maranhense acusado de corrupção

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Propaganda